Ultrassônico TELSONIC DG-2000

Realização de ensaios de cavitação vibratória.

O procedimento baseia-se na utilização de um dispositivo vibratório, gerando bolhas que colapsam e liberam ondas de choque e microjatos que impactam a superfície de uma amostra imersa em água destilada.  Esse processo leva ao desgaste erosivo por cavitação.

Em suma, um gerador ultra-sônico (figura 4 - 1.b) envia sinais elétricos para um transdutor piezoelétrico (Figura 4 - 1.a) que transforma o sinal enviado em sinal mecânico. Em seguida, o reforço e o sonotrodo amplificam o sinal recebido. Dessa forma, o sonotrodo começa a oscilar gerando as bolhas de cavitação.

O controle da temperatura do banho é feito por um dispositivo de banho termostatizado modelo TE-180. O equipamento é um trocador de calor que circula água refrigerada através do reservatório de água destilada onde a amostra está inserida.

O ensaio pode ser realizado segundos os métodos direto e indireto que se diferenciam, basicamente, pela posição da amostra. No primeiro, a amostra é fixada diretamente no sonotrodo, enquanto, no segundo, é posicionada com o auxílio de um suporte a uma distância padronizada do sonotrodo.

Os ensaios são realizados de acordo com a norma:

ASTM Standard G32-09, 2010, Standard Test for Cavitation Erosion Using Vibratory Apparatus, ASTM International, West Conshohocken, PA.

Figura 1 - Esquema de formação de microjatos. (M.C.Romero,2018)

 

Figura 2 - Esquema de formação das ondas de choque: formação,crescimento e colapso das bolhas.(M.C.Romero,2018)

 

Figura 3 - Curva da taxa de desgaste com o tempo de exposição para o ensaio de cavitação vibratória.(M.C.Romero,2018)

Figura 4 - Equipamento cavitação vibratória TRICORRMAT/UFES.(M.C.Romero,2018)

 

Figura 5 - Esquema equipamento de ensaio de cavitação vibratória.(M.C.Romero,2018)

 

Figura 6 - Figura 6– Esquema dos métodos direto (A) e indireto (B).(M.C.Romero,2018)

Figura 7 - Figura 7– Micrografia da superfície após o ensaio de cavitação vibratória para a liga de Co30Cr19Fe. Evolução do desgaste (a) 6 horas (b) 12 horas. Perda de material a partir das interseções de bandas de deslizamento (1) e de defeitos de fundição (2). (M.C.Romero,2018)

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910